sábado, 5 de setembro de 2009

Patrício Vilas Boas – Judith P. Alves

Patrício era considerado por todos na corporação como “o delegado exemplar”. Ainda novo, fez um caminho relâmpago entre sua formação, o concurso e o posto assumido. Tinha a justiça como seu lema e para ele a pior espécie de marginal era aquele policial, que usa a justiça, para cometer injustiça. Abominava qualquer tipo de corrupção. Seu sonho era trabalhar na corregedoria.

- O que foi isso no seu rosto? – perguntou já sabendo que havia sido mais uma atitude do veterano Jota – Me diga, ele não é tão poderoso, posso pegá-lo se você con...

- Quem matou Aline não fui eu, foi uma prostituta que freqüenta a avenida litorânea conhecida como Tissou, foi a mando do dep. Geraldo Lima, porque ela estava investigando um caso de corrupção policial e envolvimento com o tráfico e o deputado é o grande comandante desse esquema... eu sei de tudo e estou disposto a falar – Dorival interrompeu de forma serena o delegado.

- Você não sabe de nada meu caro... ou melhor, sabe apenas a peça que falta para completar nosso quebra-cabeça... Aline não era jornalista como todos afirmam e ela se envolveu com você e com esse sujeito que acabou de te espancar por que fazia parte da investigação... você é apenas um ferrolho dessa engrenagem... nós sabemos de tudo... sabemos como o deputado te abandonou... sabemos que aquele seu suposto amigo, um dos nossos, o Antônio, te pressionou te acusando, justamente para você falar mais....

- Mas vocês não sabem quem a matou e não sabem como pegar Jota... – Dorival fala com a voz trêmula, não acreditando que o amor de Aline era um jogo policial.

- Quase.... sabemos quem matou, foi a Tissou sim, ou melhor, Ângela, temos um agente disfarçado de andarilho, mendigo de rua, que seguia cada passo da Aline, ficava pela área observando tudo, cercando as ações “filantrópicas” do deputado... você sabe do que estou falando, né? Aquelas Kombis lotadas de drogas e “comidinhas para os pobres”... e Arlindo viu tudo e é uma testemunha inconteste (embora tenha ficado meio perturbado com esse trabalho – pensou Patrício)... aliás, a tal da Tissou também está nas nossas mãos (risos irônicos, lembrando de Judith)... só não a pegamos antes, porque precisávamos fechar o quebra-cabeça no Jota e você vai fechar... ou melhor, você fechou... você e alguns capangas dele, que já estão do nosso lado... até o deputado só está livre como uma isca... o Jota, irá cometer seu grande deslize e irá agora lá, no endereço que você deu a ele...

- Como você sabe? – Dorival ainda falando, boquiaberto, sem acreditar em todas essas revelações.

- Você acha que deixo ele se achar mais esperto que todos porquê? Eu sabia que ele iria te pressionar e você contaria... a essa altura, uma das nossas já está o seguindo...

8 comentários:

Ramon Alcântara disse...

onde estará o outro escritor desse blog?

Jardson Fragoso disse...

kkk..que pressão...judith vai sair...sem net eh complicado...

Ramon Alcântara disse...

hehehehehehe.... eu compreendo.

abz

Ramon Alcântara disse...

Em breve, os desconhecidos adentrarão em outras possibilidades.....

Mariana disse...

Nossa! Quanta demora...Quase um mês...

Ramon Alcântara disse...

os desconhecidos agora é
os esquecidos

Jardson Fragoso disse...

vai surgir desconhecidos segunda fase....

Ramon Alcântara disse...

em vias de retorno.......