domingo, 21 de novembro de 2010

Maria da Anunciação – Fernanda Carvalho

“Tanto medo, tanta dor, pouco a se fazer quando não se pode falar. Minha vida tá na metade, a história só se dá pela escrita... Sou um pedaço de nada atraente... dois anos sendo atração do circo midiático. Estou novamente no hospital, o médico disse que essa seqüência de cirurgia diminuiria as dores nas costas... Procuro um sentido pra isso tudo, como procuro lembrar daquele beijo estranho... Acredito que foi aquele beijo o Salvador... Acredito mais em Deus agora tanto quanto duvido... o silêncio que cresce cada vez mais, acelera o curso da dor pelo meu corpo, acelera essa falta de esperança e confiança que algum dia serei o que seria... apenas dói ...”

- Bom dia Maria! Vamos pro exame? – O sorriso amável acompanhava a enfermeira – Trouxe o livro que conversamos ontem pra você ler, ok?

Maria pegou o livro, olhou a capa toda linda, ela não era mais... Após o exame abriu o livro e percebeu que dentro havia um recado amarelado e bem antigo...

3 comentários:

Ramon Alcântara disse...

Misterioso! Muito bom para exercitar a imaginação! E a literatura entra nos desconhecidos, gosto muito disso! Boa volta, com classe. Parabéns! Maria era uma grande desafio e você deixou um talvez mais difícil. De quem era o recado amarelado? Para quem? De quando? Sobre o quê?

Coisas para o próximo capítulo!

De hoje, a melancolia da jovem Maria, fascinante! E o beijo...

Jardson Fragoso disse...

Tudo faz parte de uma teia, um plano a-temporal de encontros...

Ramon Alcântara disse...

Em breve, novo personagem!